CRISTINA DUARTE: Ministra diz que previsões do Economist Unit são “atos de bruxaria”

. Publicado em Economia e Negócios

As previsões da agência internacional de análise económica caíram mal à governante que, por norma, diverge de todas as análises que não sejam abonatórias para o Governo. O PAICV está perante um dilema: ou avança com algumas reformas impopulares, desde já, aconselhadas por organizações internacionais, ou espera pelas eleições para que o protesto da rua não se transfira para o voto


 

“Não comento atos de bruxaria”, foi assim que a ministra das Finanças e Planeamento comentou a previsão do Economist Intelligence Unit (EIU) que, no seu mais recente relatório, considerou ser possível que o Governo avance com reformas menos populares apenas após as eleições de 2016. “Se o EIU acha que não vamos fazer as reformas está a adivinhar, é um ato de bruxaria e, então, a responsabilidade é da EIU", afirmou Cristina Duarte, garantindo que antes mesmo das eleições (legislativas, autárquicas e presidenciais), o Executivo avançará com algumas delas.

No entanto, esta agência internacional de análise económica salientou que o governo está mesmo a preparar-se para avançar com tais reformas, no sentido de aumentar a competitividade da economia e atrair investidores estrangeiros.

Algumas dessas medidas – tidas como “inevitáveis” – poderão, no entanto, gerar alguma instabilidade social, já que é no domínio laboral que algumas delas terão maior incidência, nomeadamente, retirando aos trabalhadores direitos considerados adquiridos. E, por tal, percebe-se o dilema do Governo. Se, por um lado, organizações internacionais indicam tais medidas como necessárias; por outro, a sua implementação poderia abalar a intenção do partido da maioria (PAICV) em governar, pelo menos, por mais uma legislatura.

com Lusa

 

comments

Comentários (0)

Cancel or

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Edição em papel

Brevemente disponível
para download em PDF
(Gratuito)