PESCAS: Futuro do setor passa pela industrialização

. Publicado em Economia e Negócios

A opinião do secretário de Estado dos Recursos Marinhos confronta-se com o histórico de promessas não cumpridas e de erros crassos que o Governo cometeu num setor considerado estratégico. Na memória dos operadores está o encerramento do ISECMAR e a destruição do estaleiro da ONAV, em São Vicente, envolto em acusações de fraude e apropriação ilegítima de recursos públicos


 

Segundo o secretário de Estado dos Recursos Marinhos, Adalberto Vieira (na foto), o futuro do setor de Pescas passa pela industrialização, razão pela qual o Governo – garantiu – tem em carteira e em curso vários projetos. As declarações do governante foram feitas à Inforpress, adiantando que um desses projetos é uma unidade de frio em São Vicente, concebida com uma capacidade de armazenamento superior a 3.500 toneladas, uma velha reivindicação dos homens da pesca e da indústria transformadora do setor.

Para o secretário de Estado “o futuro passa pela industrialização, mas também pela diferenciação e promoção do que é nosso e pela aquacultura como alternativa à pesca extractiva”, referiu Vieira, sustentando que oeste processo passa, antes de mais, pela “mudança de mentalidade”, porquanto “para o desenvolvimento do setor das pescas é preciso a capacitação e formação contínua dos intervenientes ligados ao setor, de tal modo que estejam preparados para darem respostas aos novos desafios que se impõem”, acentuou o governante.

Retomadas velhas promessas

Adalberto Vieira defende que a formação no setor passa pela criação de uma unidade escolar virada para esta área, que deverá ser sedeada em São Vicente, uma ilha com grande história de ligação às atividades marítimas. “A Escola do Mar pode estabelecer um protocolo com o Instituto do Emprego e Formação Profissional, em que este último poderia funcionar como uma extensão e ministrar determinadas ações de formação na ilha de Santiago”, declarou, considerando o setor “domínio chave e crucial” para a implementação do Cluster do Mar.

A construção de câmaras de frio para a conservação de pescado e a criação da Escola do Mar são velhas promessas do Governo ciclicamente retomadas, conforma já tivemos ocasião de referir em edições anteriores (ver links mais abaixo). Já em janeiro deste ano, o secretário de Estado havia levantado a questão, garantindo que o Executivo andava à procura de financiamento, uma situação que ainda se mantém e que ciclicamente é enfatizada. No entanto, segundo operadores do setor, a Carta Política das Pescas, anunciada em 2013, ainda não produziu efeitos, e temem mesmo que alguns “sinais” apenas se comecem a fazer sentir próximo das eleições legislativas de 2016.

Governo encerrou ISECMAR e destruiu estaleiro em São Vicente

Os operadores do setor manifestam-se de “pé atrás” sempre que uma nova promessa é avançada pelo Governo, já que na memória de todos está o encerramento do ISECMAR, uma escola de excelência, certificada internacionalmente, que no seu tempo foi mesmo o maior centro de formação do continente africano, e deu cabo do estaleiro naval da ONAV, uma infraestrutura de que é liquidatário um conhecido militante do partido da maioria, num processo que – segundo o próprio Ministério das Finanças - está manchado pela fraude e apropriação ilegítima de recursos públicos.

com Inforpress

 

Notícias relacionadas

PESCAS: Governo recupera velhas promessas

PESCAS: Governo não aposta na formação e nas infraestruturas

 

comments

Comentários (0)

Cancel or

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Edição em papel

Brevemente disponível
para download em PDF
(Gratuito)