Governo demitido da Guiné-Bissau aguarda por delegação da CEDEAO para mediar crise

Escrito por Editor JSN . Publicado em Mundo

Os membros do governo demitido da Guiné-Bissau que ocupam o palácio governamental aguardam pela chegada da delegação da CEDEAO que vai mediar a crise política no país, disse hoje um dos elementos à Lusa

 


"Vamos continuar aqui" e "aguardar pelos presidentes", ou seja, "a delegação da CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental) que está para chegar a Bissau", referiu Agnelo Regalla, ministro da Comunicação Social do executivo cessante, quando questionado sobre o que o grupo no palácio pretende fazer.


Os chefes de Estado e de governo da CEDEAO nomearam uma delegação presidencial para avaliar a crise política na Guiné-Bissau durante um encontro realizado no sábado em Dacar, capital do Senegal.


A delegação inclui os presidentes da Guiné-Conacri, Senegal e Serra Leoa e deverá "encontrar-se com as partes interessadas na crise política da Guiné-Bissau, a fim de avaliar melhor a situação no país", foi anunciado no comunicado final da reunião.


No entanto, não foi adiantada nenhuma data para a chegada da comitiva presidencial a Bissau.


O primeiro-ministro do Governo demitido, Carlos Correia, que se encontra fora do Palácio do Governo, tentou entrar cerca da meia-noite passada, mas foi impedido pelas autoridades guineenses.


Diversos elementos impedem desde domingo as entradas no palácio depois de o Ministério Público ter feito um ultimato para os membros cessantes deixarem o local.


"A situação mantém-se: ninguém entra. Só é permitida a saída de quem aqui está", referiu hoje Agnelo Regalla à Lusa, acrescentando que o ambiente se mantem calmo.


Os membros do executivo demitido a 12 de maio, de maioria PAIGC, ocupam as instalações como protesto contra a entrada em funções de um novo governo.


Consideram que o Presidente da República, José Mário Vaz, violou a Constituição ao dar posse na sexta-feira a um executivo que não resulta da vontade do PAIGC, partido que venceu as últimas eleições (2014).

 


Lusa

 

 

 

comments

Comentários (0)

Cancel or

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Edição em papel

Brevemente disponível
para download em PDF
(Gratuito)