CARLOS FORTES LOPES: Acorda Cabo Verde!...?

. Publicado em Opinião

O Primeiro Ministro José Maria Pereira Neves e os seus condiscípulos no elenco governamental, com a cumplicidade do Ministério da Justiça e a Procuradoria Geral da República, continua ignorando o sofrimento do povo das ilhas de Cabo Verde

 

Nalgumas situações, verifica-se uma constante manobra política de desvio da atenção do público, para manter a sua percepção mental longe dos verdadeiros problemas sociais, cativando as suas atenções nos temas menos importantes da sociedade.

Noutros, verifica-se a estratégia da distração, na tentativa de impedir que o público se interesse pelos conhecimentos essenciais, nas áreas de Economia, Finanças, Psicologia, Sociologia e da Política.

A tal conhecida manobra política de manter o público ocupado com as crises sociais sem nenhum tempo para pensar e analisar as ilegalidades e mentiras dos que deviam estar a trabalhar para proteger a nação e o povo que a complementa.

Como é óbvio, o objetivo político deste grupo de governantes é o de criar problemas e, depois, oferecer soluções. O famoso método denominado de "Problema-Ração-Solução". O tal método onde o protagonista cria um ou vários problemas para causar reações públicas que exigem medidas "antecipadamente preparadas".

Um exemplo nítido desse método está bem patente na situação social que o país atravessa.

Por exemplo: o governo deixou que a violência urbana se desenvolvesse e ou intensificasse, com atentados sangrentos, para que o público exigisse leis mais rígidas, numa demanda de políticas de segurança que intervenham na liberdade social do próprio público.

O objetivo primordial das manobras políticas deste governo é nitidamente o de manter o público na ignorância e mediocridade, para que sejam presas fáceis das estratégias da manipulação midiata governamental.

Esse método político de manter o público na ignorância, num clima de medo e incapacidade social e familiar, acaba por manter essa forte sensação da incapacidade de compreensão das tecnologias e dos métodos utilizados para controlar e escravizar o próprio povo.

Esta qualidade educativa proporcionada às classes sociais menos favorecidas acaba, sempre, por torna-las mais pobres e medíocres, de forma a manter a distância entre a ignorância das classes menos favorecidas e as classes mais favorecidas.

O método ditatorial de estimular o povo a ser complacente com a mediocridade, de forma a crer que é moda o fato de ser vulgar, inculto e estupido.

Sendo os políticos eleitos para proteger a nação e o seu povo, o humanismo que tentam oferecer ao povo não passa de manobras para distrair esse povo da falta de eficácia governamental.

Como dizia o Primeiro Ministro, no outro dia, "ter formação e estar à espera do primeiro emprego é muito melhor que ter jovens sem formação".

Uma autêntica demagogia política de gente sem visão e que não estão acompanhando a sociologia do mundo atual.

Mesmo estando no século XXI e da liberdade global, o Primier continua a não conseguir garantir ao país, uma economia dinâmica, de emprego, com saúde, em segurança e com o sector da justiça a funcionar.

Noutras palavras, o Primier e os seus discípulos continuam insistindo nos métodos marxistas acima mencionados, para alcançarem os programados objetivos políticos, eleitorais, sem sequer preocupar com o sofrimento das populações que continuam no desemprego, na insegurança, sem uma saúde pública competente e com a justiça de rastos e prestes a minar a soberania nacional.

 

 

A Voz do Povo Sofredor

 

 

 

Carlos Fortes Lopes/Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

 

 

 

 

comments

Comentários (0)

Cancel or

Comentar


Código de segurança
Atualizar