NELSON BRITO: “… um abuso por parte dos TACV”

. Publicado em Opinião

Que fique bem claro. O Sr. João Pereira e Silva, Presidente do Conselho de Administração dos TACV, aumentou os preços de forma abrupta e unilateral porque sabia que tinha cobertura do governo e do partido que sustenta o governo

 


Os TACV, unilateralmente, resolveram aumentar o preço das passagens aéreas nacionais e internacionais. Aumentos na ordem dos 17 aos 27% nos voos inter-ilhas, apanhando os cabo-verdianos de surpresa e dificultando e muito a vida das pessoas. Passagens que antes já eram muito caras (das mais caras do mundo) subiram ainda mais de preço. Por exemplo viagens de ida e volta de Praia a São Vicente, ou Praia ao Sal passaram para os 23.049$00 ou ainda mais grave de São Nicolau a Praia ida e volta passou a custar 24.049$00: o maior aumento mas que ninguém fala dele. Todos sabemos do nível de desemprego e subemprego existentes em São Nicolau e no país e das dificuldades por que passam os cabo-verdianos, pelo que não se entende o posicionamento insensível de subir os preços e redução de 20 para 15 kilos de bagagem por cada passageiro. Vai ser uma afronta aos cabo-verdianos neste verão. E o pior é que a qualidade do serviço prestado continua má.


Também houve aumentos nos voos internacionais em especial para os Estados Unidos e a Europa, excepto Portugal com as passagens a custar bem acima dos 100 contos o que impossibilita e muito as viagens em família. Estas medidas, estes preços prejudicam e muito as nossas populações, os nossos emigrantes, a indústria do turismo e toda a nossa economia.


Trata-se de um abuso por parte dos TACV, a nossa companhia de bandeira. Houve aumentos em todas as linhas (domésticas e internacionais) onde não há concorrência e em plena época alta com muita procura por parte dos cabo-verdianos. Ou seja, onde os TACV viajam sozinhos e portanto detêm uma situação de monopólio, aumentaram as passagens e onde há concorrência, como é o caso de Portugal não só não se aumenta o preço das passagens, como se faz promoções com as viagens a ficarem mais baratas. Temos aqui um caso de uma companhia de bandeira a abusar da situação de monopólio e a carregar sobre o povo.


Que fique bem claro. O Sr. João Pereira e Silva, Presidente do Conselho de Administração dos TACV, aumentou os preços de forma abrupta e unilateral porque sabia que tinha cobertura do governo e do partido que sustenta o governo. Pois ele, João Pereira e Silva foi mandatário nacional da candidatura de Janira Hopffer Almada e é um dos principais conselheiros da Ministra e Presidente do PAICV.


Pois, caso contrário, como se explica o silencio e a inacção do governo em toda esta trapalhada? Em que o Regulador, a Agência de Aviação Civil considera ilegal a subida do preço das passagens dos voos nacionais e manda publicamente aos TACV praticar os preços anteriores e os TACV simplesmente recusam e desrespeitam a autoridade do regulador. Tudo porque João Pereira e Silva tem a protecção e cobertura da sua presidente Janira Hopffer Almada, que finge dizer que está junto do povo, defendendo os interesses do povo, apesar das suas acções ditarem exactamente o contrário.


Estes aumentos absurdos de tarifas acontecem porque o Governo precisa, mais uma vez e na mesma linha de todos os anos, de financiar os TACV e cobrir os prejuízos e assim, mais uma vez vai, dessa forma descarada, aos bolsos dos cabo-verdianos. Isto tudo é por culpa da incompetência e má gestão dos TACV e de outras empresas e instituições em Cabo Verde. Grande parte da má gestão existe porque o governo insiste em nomear camaradas e militantes do PAICV para gerir empresas e instituições estratégicas para o país, apesar de não terem competência para tal. Em vez de lançar-se concursos públicos, onde pessoas qualificadas, gestores de topo, seriam seleccionados, colocam os camaradas, militantes, nos Jobs for the Boys e pagamos todos por isso. Como ex. temos os TACV, INPS, ENAPOR, CVTELECOM, ENAPOR, ELECTRA, até na Banca. São todos geridos por gente do PAICV e gente da Janira Hopffer Almada.


Com o passar dos anos e o acumular dos resultados negativos, as facturas da má gestão vem chegando e vão pesando com a necessidade cada vez maior e mais frequente do governo socorrer e financiar os TACV com o dinheiro dos contribuintes. Em 2012 os TACV apresentaram resultados negativos de 3,2 milhões de contos e em 2013 resultados negativos de 1,3 milhões contos, (dados auditados e publicados, portanto oficiais). É esta a tendência dos últimos anos e estes enormes prejuízos têm que ser cobertos pelo accionista que é o estado, quer através do aumento dos impostos, quer através do aumento das tarifas. Tudo dinheiro dos contribuintes. Quer de uma forma quer de outra o povo é que paga. Se o governo não fizer isso, os TACV correm o risco de ir à falência. É este o enorme preço que Cabo Verde e os cabo-verdianos pagam pela incompetência, má gestão, irresponsabilidade, partidarização que o PAICV tem praticado ao longo destes anos.


Nelson Brito | Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

comments

Comentários (0)

Cancel or

Comentar


Código de segurança
Atualizar