CARLOS FORTES LOPES: Pequenas notas sobre a triste realidade de Cabo Verde

. Publicado em Opinião

Cabo Verde esta clamando por uma Coligação Política, capaz de enfrentar as duas potências políticas já enraizadas nesta sociedade e que têm dados amostras claras das suas similaridades

 

 

Iniciarei a minha dissertação de hoje, pelo mandato do ex-Ministro Manuel Inocêncio, responsável pela construção de algumas infra-estruturas de vulto e que acabaram por não corresponder às exigências do Governo/Povo e das avultadas quantias saídas do cofre deste pobre estado que continua a sobreviver graças a ajudas internacionais.

Este mesmo ex-ministro foi promovido a PCA da CV Telemovel, após a derrota nas presidenciais.

Uma clara demonstra de prepotência político governamental do actual Primeiro Ministro que tem vindo a ignorar actos de corrupção a nível governamental, demonstrando que o PAICV só se importa com o bem estar dos seus militantes e simpatizantes. Enfim... Uma corrupção generalizada que já siderou desta sociedade civil e que está a deteriorar dia após dia.

Uma outra vergonhosa atribuição do cargo de PCA é a referente à transportadora aérea nacional na qual foi colocado um político corrupto com um passado muito obscuro e sujo e que já deu provas concretas de que de Administração empresarial não entende patavina.

Com apenas esses dois exemplos de prepotência política do José Maria Neves, poderemos constatar de que o PAICV nunca deixará de ser um partido político idealmente conduzido pela veia ditatorial que estabeleceu a sua base desde os velhos tempos de 1970's e 80's e tem vindo a aumentar a sua influência de corrupção governamental, durante estes últimos três (3) mandatos desgovernação.

Ainda falando da incompetência, convém salientar de que as instituições públicas nacionais e as suas chefias são reflexões da incompetência e corrupção governamental existente no país.
Basta olharmos para as listas dos actuais Delegados e ou Directores regionais dos Ministérios e ou Instituições nacionais, para constarmos a influência política no indigitar de responsáveis regionais dessas instituições e ministérios. Uma autêntica afronta à passividade deste povo sofredor.

São muitos os que foram colocados nessas posições de destaque e de responsabilidades profissionais e sociais, apesar de não reunirem experiências acadêmicas e profissionais para ocuparem cargos de elevada envergadura e que deveriam ser ocupados apenas através de concursos públicos.

Uma total amostra ditatorial de insistir em continuar indigitando apenas pessoas com simpatias e ou militanças político partidárias de quem estiver no Governo.

Basta fazermos uma ronda pelas Delegações nacionais da Saúde, da Educação, da Solideriedade, do Emprego, do Desenvolvimento Rural, das Finanças, da Administração Pública, etc., etc., para confirmarmos a falta de transparência no apontamento desses que ocupam lugares que deviam ter sido ocupados por profissionais experientes e competentes.

Esses postos de destaque continuam sendo ocupados por pessoas que participam activamente em campanhas políticas do partido que sustenta o Governo.

Os Ministros e seus colaboradores continuam, abusivamente, a colocar familiares pessoais e ou de colegas militantes para desempenharem cargos de altos níveis institucionais, demonstrando um total desprezo pelas opiniões públicas.

Neste nosso Cabo Verde de esperança, continuamos a assistir o desmando de Ministros que cometem irregularidades e são depois colocados à frente de instituições de grande destaque nacional, como se se tratando de promoções político partidárias.

Um exemplo crasso é o da Ministra Janira, a actual presidente do PAICV e candidata ao cargo de Chefe de Governo deste país, que cometeu uma ilegalidade gravíssima e merecedora de desoneração imediata e que continuou a desempenhar o cargo de Ministra, fazendo uso desse cargo de destaque para fazer campanhas pessoais e partidárias.

A Ministra Janira que além de ser Ministra do Emprego (um sector que tem vindo a deixar muito a desejar nestes últimos anos) acumula a pasta de Solidariedade, através da qual tem vindo a fazer campanhas políticas com o apoio de Associações e Organizações ligadas a esse Ministério sob a tutela da própria Janira Almada.

Quanto à pasta dos Recurso Humanos, também acumuladas pela jovem Janira, já dissemos o suficiente e só nos resta pedir aos cabo verdeanos que saibam fazer a justiça na urna em 2016.

São inúmeros os casos de corrupção político governamental existentes no seio da função pública nacional que demonstra a clara inércia e incompetência profissional dos responsáveis pela área da justiça nacional. Uma autêntica "chacota" como dizia o outro.

Antes de terminar, não podia, de forma alguma, deixar de pronunciar sobre os Deputados Nacionais. Como já ficou provado temos vindo a ser contemplados com listas constituídas por um bando de incompetentes, politicamente e profissionalmente, que apenas estão a ocupar essas cadeiras porque, por qualquer motivo, têm sido capazes de angariar alguma simpatia nas pequenas localidades das ilhas do país, ou seja alguns votos pontuais.

Alguns desses Deputados, além de usufruírem de um pacote salarial de luxo, ainda conseguem, com apoio dos colegas amigos, sacar outras quantias extras, dos cofres da Assembleia Nacional para fazerem campanhas políticas no Estrangeiro.

São inúmeras as viagens pagas pela Assembleia Nacional em que os Deputados são contemplados com bilhetes de passagem para irem fazer tratamentos médicos no estrangeiro, aproveitando essas deslocações previamente programas para tratar de assuntos relacionados com as campanhas políticas do partido das suas militância. Uma autêntica agressão aos cofres do Estado que por sua vez é suportado pelas remessos dos emigrantes e contribuições de todos os cabo verdeanos e residentes no país.

E o mais bizarro de tudo isso é que nenhum político ou membro da governação do país diz algo sobre o assunto. Logicamente, porque são todos farinhas do mesmo saco.

Alem dessas inúmeras ilegalidades e crimes de invasão aos cofres do Estado, existem entre nós muitos que arrogantemente continuam exibindo as suas duvidosas riquezas num gesto de prepotentes e intocáveis membros da sociedade cabo-verdeana.

Finalmente, gostaria de salientar de que o povo de Cabo Verde precisa rever as suas atitudes perante a realidade do país e exigir também que os eleitos façam o mesmo, para que seja possível evitar uma catástrofe nacional, neste país que continua insistentemente a viver à base da fantasia, ignorando a realidade da pobreza do país.

 

 

Carlos Fortes Lopes/Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

 

 

 

 

comments

Comentários (0)

Cancel or

Comentar


Código de segurança
Atualizar