JOSÉ MARIA NEVES: Funcionários estrangeiros não devem imiscuir nos assuntos político-eleitorais

. Publicado em Opinião

Não se pode, nesta altura, sob pena de descredibilizar e fragilizar as instituições da República, levantar suspeitas e por em crise o atual sistema, resultado de amplo consenso

 



Espero que haja sentido de Estado, responsabilidade e elevação pedagógica de todos os agentes políticos e órgãos de soberania na gestão deste período eleitoral, quando os nervos estão, geralmente, à flor da pele.

O sistema eleitoral cabo-verdiano, sob a direção superior da Comissão Nacional de Eleições, converge técnica e normativamente com a maioria dos países da União Europeia e tem permitido eleições livres e transparentes, designadamente a de Ulisses Correia e Silva, em 2008 e 2012, ao cargo de Presidente da Câmara Municipal da Praia, e a de Jorge Carlos Fonseca a Presidente da República, em 2011.

Não se pode, nesta altura, sob pena de descredibilizar e fragilizar as instituições da República, levantar suspeitas e por em crise o atual sistema, resultado de amplo consenso.

Devemos, também, aconselhar os funcionários estrangeiros residentes no país a se absterem de comentar, muitas vezes de modo paternalista e inapropriado, e de imiscuir nos assuntos internos,maxime nos político-eleitorais. Cabo Verde é um Estado de Direito Democrático e um país credível na arena internacional.

 

José Maria Neves | Primeiro-Ministro | texto publicado na rede social facebook

 

 

 

comments

Comentários (0)

Cancel or

Comentar


Código de segurança
Atualizar