CARLOS FORTES LOPES: O dilema do Delegado do Ministério da Educação de cabo Verde em Mindelo (continuação)

. Publicado em Opinião

O Delegado da Educação "Analfabetismo" em São Vicente está a cometer atrocidades contra as crianças estudantes desta ilha do Monte Cara

 

 

 

Os encarregados de educação dos treze (13) alunos na localidade de Norte de Baia já manifestaram publicamente o seu desagrado e apresentaram dados suficientes para o envolvimento legal da Procuradoria Geral da República de Cabo Verde.

O Delegado do Ministério da Educação na ilha, por sua vez, apresentou desculpas esfarrapadas e sem nexo, quanto à situação caótica e ilegal dos alunos da Escola de Norte Baia.

Ao encerrar a Escola de Norte de Baia, com o número suficiente de 13 alunos a frequentar classes diferentes, o Delegado está a violar a Constituição da República e está a demonstrar incompetência pedagógica, tendo em conta o volume de matéria que qualquer professor do Ensino Básico tem para preparar e lecionar uma classe com 13 alunos de níveis diferentes.

Alem das matérias serem muitas para um único professor, até a data de hoje, 9 de Janeiro de 2016, os professores que lecionam nas Escolas Básicas de Barlavento nem sequer tiveram a sorte de ter manuais e guias, das duas disciplinas com maior volume de matérias a lecionar (Ciências e Estudos Sociais).

Será que alguém está a ver onde começa o problema escolar de Cabo Verde???

Mais, este Delegado do PAICV é, acima de tudo, um Ser arrogante, prepotente e ditador que não aceita opinião dos professores e gere a Delegacia como se fosse uma casa onde ele é dono de tudo e desrespeita a mulher.

O Delegado da Educação em São Vicente é um violador das regras constitucionais do ensino escolar nacional e está a violar os direitos das crianças estudantes desta ilha.

Pois, não devemos esquecer de que no Artigo 74º da Constituição (Direitos das crianças) está estipulado que:

1. Todas as crianças têm direito à protecção da família, da sociedade e dos poderes públicos, com vista ao seu desenvolvimento integral.2. As crianças têm direito a especial protecção em caso de doença, orfandade, abandono e privação de um ambiente familiar equilibra-do.3. As crianças têm ainda direito a especial proteção contra:a) Qualquer forma de discriminação e de opressão;b) O exercício abusivo da autoridade na família e nas de mais instituições a que estejam confiadas;

c) A exploração de trabalho infantil;d) O abuso e a exploração sexual.4. É proibido o trabalho infantil.5. A lei define os casos e condições em que pode ser autorizado o trabalho de menores.6. A lei pune especialmente, como crimes graves, o abuso e exploração sexuais e o tráfico de crianças.7. A lei pune, igualmente, como crimes graves as sevícias e os demais atos susceptíveis de afetar gravemente a integridade física e ou psicológica das crianças.

 

A Voz do Povo Sofredor

 

Carlos Fortes Lopes- Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

 

 

comments

Comentários (0)

Cancel or

Comentar


Código de segurança
Atualizar